Fale Conosco: (21) 2298-2208 | Twitter da Fizzy Facebook da Fizzy Linkedin da Fizzy Google Plus da Fizzy Instagram da Fizzy Email de contato
Blog
15 mar 2015

Segmentação B2B: Campanhas de links patrocinados no LinkedIn e Facebook

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

Olá! Seja bem-vindo ao blog da Fizzy Marketing Digital.

Neste artigo você aprenderá, ou aprofundará seus conhecimentos, sobre os benefícios de utilizar campanhas de links patrocinados no LinkedIn e Facebook, com o objetivo de potencializar a segmentação de projetos B2B (empresas que vendem produtos ou serviços para outras empresas).

Um dos maiores desafios em projetos de Marketing Digital é fazer com que a comunicação de determinada empresa privada, instituição pública ou personalidade chegue ao seu público-alvo de forma assertiva.

E, atualmente, a melhor maneira de atingir esses públicos nas redes sociais, em projetos B2B, é utilizando as plataformas de links patrocinados do LinkedIn e do Facebook. Vamos ver os pontos positivos e negativos de cada uma das modalidades?

LinkedIn Ads

Pontos positivos

Alto número de usuários no Brasil

O Brasil já conta com mais de 17 milhões de usuários do LinkedIn.

linkedin-ads-11

Audiência corporativa e alto poder de segmentação B2B

O LinkedIn disponibiliza opções de segmentação aprofundadas e certeiras para campanhas B2B. É possível criar campanhas e anúncios para públicos definidos por modalidades como as exemplificadas a seguir:

  • Cargo e função de trabalho
  • Setor e tamanho da empresa
  • Nome da empresa
  • Nível de experiência profissional
  • Idade e geolocalização

Aproveitando ao máximo essas modalidades de segmentação, é possível criar campanhas e anúncios para o público-alvo desejado.

Por exemplo, caso você tenha uma empresa que oferece serviços para outras empresas de grande porte, e tem como objetivo de conversão receber mais pedidos de orçamento, uma boa possibilidade de segmentação seria filtrar seus anúncios para profissionais em cargo de decisão (diretores, gerentes etc.) que trabalham em negócios com mais de mil funcionários.

linkedin-ads-5

Possibilidade de variações de anúncios por campanha

Cada campanha no LinkedIn Ads pode ter até 15 anúncios diferentes por campanha, o que ajuda a testar as melhores combinações de textos (call’s to action) e imagens.

Pontos negativos

Limitação orçamentária e alto custo por clique

O LinkedIn Ads só permite criação de campanhas de links patrocinados com investimento mínimo de R$ 20 por dia, e o CPC mínimo é R$ 4. Ou seja, se você tiver uma campanha básica, seus anúncios receberão apenas 5 cliques por dia, em média.

Esse valor mínimo de investimento (média de R$ 600 por mês) restringe as ações de empresas de pequeno porte, que têm verba reduzida para ações de marketing digital.

Tamanho reduzido de imagens e textos

Os anúncios no LinkedIn Ads não chamam tanto a atenção quanto os do Facebook Ads, pois estão limitados por imagens de 50 x 50 pixels e call’s to action de no máximo 75 caracteres. Já no Facebook Ads, o tamanho de imagem recomendado é de 1200 x 628 pixels (para anúncios de cliques no site) e call’s to action de no máximo 90 caracteres, ainda com a opção de utilizar mais 200 caracteres na descrição do link no feed de notícias, e selecionar um botão de chamada para ação.

Vamos comparar exemplos de anúncios nas duas mídias:

Exemplo de anúncio B2B no LinkedIn Ads (modalidade cliques no site)

exemplo-anuncio-linkedin-ads

Pontos negativos

Modo de lazer

O Facebook é uma rede social na qual os internautas navegam, essencialmente, em modo de lazer, seja conversando com amigos, vendo vídeos, acompanhando novidades das fanpages que curtem, fotos de parentes etc.

Por isso, as campanhas devem ser pensadas de uma maneira assertiva, sutil, como uma etapa do funil de conversão, ou seja, como uma mídia que irá assistir outra mídia a gerar uma conversão final. Caso contrário, seu anúncio poderá ser interpretado como uma comunicação invasiva e não será assimilado de maneira positiva. Já em uma mídia como o Google, por exemplo, as buscas são realizadas em modo de compra e geralmente os anúncios são mais agressivos.

Vamos imaginar o seguinte cenário para exemplificar esta questão: um internauta se interessou por um anúncio que você publicou no Facebook, clicou e foi direcionado para o seu site. Mas ele não está no momento de contratar seu serviço. Depois de um tempo, quando ele está pronto para a ação, ele poderá pesquisar no Google pela sua empresa, caso ela tenha gerado uma experiência inicial positiva, e contratará seu serviço após um pedido de orçamento feito por um formulário de contato, por exemplo. Neste caso, o Facebook assistiu a conversão final do Google (esse processo de conversão pode ser configurado e acompanhado pelo Google Analytics).

Sinais de saturação

No último ano, outros sites de redes sociais cresceram mais que o Facebook, como o Tumblr, Pinterest, Instagram, o próprio LinkedIn, Twitter, YouTube e Google+, o que pode ser interpretado como um indício de sinais de saturação da rede social de Mark Zuckerberg. O Facebook cresceu apenas 2%, enquanto o Tumblr, a rede social que mais atrai novos usuários, teve um crescimento de 120%.

Conclusão

Com as informações apresentadas, você pôde perceber os principais pontos positivos e negativos de cada uma das mídias abordadas neste artigo. Por exemplo: é possível concluir que a segmentação do LinkedIn Ads para campanhas B2B ainda é mais aprofundada que a do Facebook Ads. Por outro lado, no Facebook você pode trabalhar melhor as possibilidades estéticas e visuais.

Para ações B2B de marketing digital no LinkedIn e no Facebook, o ideal é trabalhar as duas mídias e explorar as melhores funcionalidades de cada uma. E, quando o budget disponível permitir, investir nas duas plataformas de links patrocinados.

Lembrando que em anúncios de cliques no site é fundamental parametrizar as URLs das páginas de destino, pelo Google URL Builder, para poder acompanhar os resultados e conversões no site, utilizando o Google Analytics.

Espero que este artigo tenha contribuído com seus objetivos. Um abraço e até a próxima!

* Dados estatísticos obtidos por intermédio de pesquisa da Global Web Index, divulgada pela TechCrunch e acessível neste link: http://techcrunch.com/2014/11/25/tumblr-overtakes-instagram-as-fastest-growing-social-platform-snapchat-is-the-fastest-growing-app/

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin
The following two tabs change content below.

Mattheus Rocha

Comunicólogo com habilitação em Jornalismo, atua na área de Marketing Digital desde 2006. Desenvolve estudos em Marketing de Busca e Social Media, com foco em resultados e conversões. É sócio fundador e diretor executivo da agência Fizzy Marketing Digital.

Latest posts by Mattheus Rocha (see all)

  • 15 mar, 2015
  • Mattheus Rocha
  • 0 Comentários

Compartilhar

Categorias

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *